sexta-feira, 19 de setembro de 2008

A RAIVA NO CORPO


Recados e Imagens - Sexta Feira - Orkut




O RISCO DE MORRER ANTES DOS 50 ANOS É CINCO VEZES MAIOR
PARA QUEM SE IRRITA COM FACILIDADE.

A RAIVA NO CORPO:

Sob o comando da raiva, a corrente sanguínea é rapidamente
inundada por uma grande quantidade de adrenalina. Quando
é produzida em excesso, essa substância provoca a contração
dos vasos sanguíneos, o que pode levar à hipertensão ou
até mesmo ao enfarte. A mesma emoção libera de duas a cinco
vezes mais cortisol, o hormônio do estresse, causando
inúmeros transtornos, de insônia ao enfraquecimento do
sistema imunológico. Segundo a monja e psicóloga Susan
Andrews, autora de "Stress a Seu Favor" (Ed. Ágora, 112ps.,
R$23), algumas pessoas se irritam facilmente e, muitas
vezes, por motivos banais: uma fechada no trânsito, fila
lenta no banco. "Para os cardiologistas, essas são as
'Personalidades Tipo A', pessoas que podem secretar cerca
de até 40 vezes o nível normal de cortisol", diz.

Altamente tóxica para o organismo, essa overdose pode levar
a muitos problemas de saúde, como ataque cardíaco, câncer,
derrame, diabetes e depressão. "As pessoas do Tipo A tem
uma probalidade cinco vezes maior de morrer antes dos
50 anos", diz Susan. Para a medicina chinesa, que
relaciona as emoções dos órgãos, os efeitos da raiva se
fazem notar principalmente no fígado e na vesícula biliar.
Mas o corpo todo pode adoecer: Segundo Hélder Carvalho,
especialista em medicina oriental, no Rio de Janeiro,
pessoas que "congelam" a raiva ficam predispostas a todo
tipo de doença.

À FLOR DA PELE:

A ofensa que não pôde ser canalizada se transforma em
verruga, e a humilhação diante de um colega de trabalho
vira acne ou eczema. Para o psicodermatologista americano
Ted Grossbart, muita gente solta o "grito" de raiva de
outra forma - e quase sempre a pele é o porta-voz desse
sentimento. O autor de "Skin Deep: Body Program For
Health Skin" (ainda inédito no Brasil, à venda pelo site
www.grossbart.com) diz que a pele sofre com o nosso
estado emocional, e isso se reflete em ressecamento,
dermatites, alergias, herpes e psoríase. "É um processo
autodestrutivo. Quando não expressamos nossa raiva,
ela se volta contra nós mesmos", diz o médico.

"Revista Marie Claire 'Bem Estar'."

2 comentários:

xistosa - (josé torres) disse...

Estou com sorte, pois 61 já cá moram.
Não sou nada calmo, antes pelo contrário.
Sempre gostei de desporto.
Joguei futebol, mas fui irradiado ...Fizeram uma falta e eu acertei-lhe um murro, depois o árbitro meteu-se e ...
Por isso joguei ténis.
Um de cada lado da rede, não há contactos.
A adrenalina, por estudos recentes, não é assim tão nefasta ... parece-me que quem tem um "jeito" mais colérico, dura mais anos.

Mas os médicos tratam-nos aprendendo com os casos que vão morrendo ...
Eu costumo dizer que tratam-nos a apalpar.
Hoje receitam um medicamento, se não faz efeito, mudam a receita e vão apalpando até acertar

Eduardo Targa disse...

Goste muito da matéria, tenho problema com a raiva e o nervoso, preciso começar a me controlar, estou te seguindo, se puder seguir meu blog www.variedades1.com eu fico muito grato, tenha um bom final de semana.