sábado, 20 de setembro de 2008

PRÁTICAS DE CALMA E ATITUDES SAUDÁVEIS



Recados de Abraços







PRÁTICAS DE CALMA:

Uma das saídas para evitar os efeitos prejudiciais da
irritabilidade é adotar certas práticas que ajudam a baixar
os níveis de cortisol. "A respiração profunda, o relaxamento
e a meditação são fundamentais, assim como os exercícios
de biopsicologia", diz a monja e psicóloga Susan Andrews.
A partir de uma série de posturas, é possível pressionar
as glândulas endócrinas e, segundo Susan, harmonizar as
secreções hormonais. Aqui, ela ensina uma dessas posturas:
"Sente-se no chão com a coluna ereta e as pernas cruzadas,
mantendo a direita na frente, por baixo da perna esquerda.
A mão direita segura o pulso esquerdo por trás, nas costas.
Inspire pelo nariz e, ao expirar, vá inclinando o tronco
lentamente, à frente, com a intenção de tocar a testa no
chão. Pare e segure a respiração por oito segundos.
Inale e volte à posição original. Repita oito vezes". O
exercício baixa a secreção de cortisol e não só no momento
da prática - esse efeito se prolonga por horas.

ATITUDES SAUDÁVEIS:
Nem sempre é fácil manter as coisas sob controle. Aqui, a
psicóloga Márcia Modesto, do Rio de Janeiro, lembra de
algumas atitudes que ajudam a evitar um curto-circuito.

1- RECONHEÇA O QUE ESTÁ SENTINDO: Admitir já é um bom
começo. Sem culpa ou vergonha: sentir raiva é comum, é
legítimo e, principalmente, é humano. É importante
lembrar disso quando o alvo desse sentimento é alguém
querido - apesar de parecer paradoxal, amor e raiva
não são excludentes.

2- CONTE AO MENOS ATÉ TRÊS: E, se precisar, conte outra
vez. Respire fundo, isso ajuda a diminuir o excesso de
adrenalina. Nos momentos de tensão, o oxigênio é
um santo remédio.

3- FALE SEM BRIGAR: Tente expor a raiva diretamente a
quem a provocou. Esta é uma atitude de quem quer ter saúde.
De forma transparente e civilizada, do tipo "Você
está errada, eu não gostei nem um pouco da injustiça
que cometeu comigo e, por favor, não repita". Simples
assim. Mesmo que a pessoa retruque e esperneie, você
vai estar se sentindo 50 quilos mais leve.

4-FUJA DOS EXTREMOS: Engolir e ficar doente ou cometer
um assassinato! A solução sempre está no meio, no
equilíbrio entre instinto e razão. Depois de falar o que
sente e mostrar sua indignação, encerre o assunto, com
a pessoa e com você mesma.

5- TENTE PERDOAR: Nem sempre basta revelar o que nos
feriu. Pode ser necessário anistiar o companheiro,
perdoar o parente ou a amiga responsável pelo sofrimento.
Para facilitar a tarefa, pense nesse perdão como um
remédio para a sua raiva. A prática prova: o ato de
perdoar alivia e dilui a sensação de rancor.

"Revista Marie Claire"

3 comentários:

xistosa - (josé torres) disse...

Ana Maria

Diga-me se uma prática saudável, calmante e anti-stress, não é pegar o braço ou a mão do seu parceiro, sair pela rua sem destino, comer ou não alguma coisa, falar descontraidamente, sem olhares os relógios.
(eu gosto mais de passar o meu braço pelos ombros da minha mulher e aconchegá-la para mim)

Regressar a casa e deixar os sentimentos fluir ...
Haverá melhor medicamento? ou mesmo médico?

Ana Maria disse...

Xistosa, gosto desse seu jeito de expressar. Você é experiente e carinhoso.
Obrigada!

Carol... disse...

Acho que ando precisando de tudo isso, usar essa prática de sentar no chão dobrar as pernas, respirar fundo, para tentar relaxar, e também sair por ai com meu namorado segurando pelas mãos e conversar, rir bastante....

Bju tia.